sábado, 3 de junho de 2017

Joana Benzinho - Afetos com Letras

No dia 1 de junho tivemos o prazer de receber, via skype, a visita da Dr.ª Joana Benzinho. Na sala polivalente da biblioteca da EBAR, os alunos do 5º C e do 8ª A colocaram-lhe algumas questões. Aqui fica o registo, pelos próprios alunos, deste momento que se revelou tocante e enriquecedor.


1 – Quem é a Joana Benzinho?
Eu nasci em Portugal, em Pombal, e estudei Direito em Coimbra. Agora trabalho na Comissão Europeia. Um dia fui passar férias à Guiné-Bissau e, sensibilizada com a pobreza das crianças, decidi dedicar-me a ajudá-las para terem uma educação melhor.

2 - O que a levou a fazer o que faz? Porquê na Guiné?
Eu fui para a Guiné, porque tinha ido para lá passar férias. Quando ia a passear, reparei numa criança que estava a vender um cacho de bananas para ganhar dinheiro para a família, para conseguir matricular-se na escola e comprar um caderno e uma caneta. Eu quis dar o dinheiro à criança, mas disse-lhe para ficar com as bananas. Ela disse que não, pois os pais iriam bater-lhe, porque pensariam que ela tinha roubado. Percebi as razões da criança e levei o cacho fazendo uma criança feliz. Então decidi criar o projeto «Afetos com letras».

3 - Qual a razão para o nome «Afetos com letras»?
Chama-se «Afetos com letras», porque queríamos ajudar as crianças dando-lhes afeto e carinho a partir da leitura e da escrita.

4 - Como é a vida das crianças na Guiné?
Desde pequenas, as crianças ajudam os pais a apanhar arroz. As meninas ajudam nas tarefas domésticas e a descascar o arroz.
Para tomarem banho utilizam um balde com água de um poço. Os que têm a sorte de ir à escola, têm de levar um banco de casa para se poderem sentar e ali comem a sua refeição do dia que é garantida pela escola.
A vida das crianças é feliz porque é perto da natureza e não têm as distrações que nós temos.

5- Há quanto tempo desenvolve este projeto?
A «Afetos com letras» começou em 2008, no dia 24 de setembro, por isso faz nove anos, mas em 2009 é que começou a ganhar vida, ou seja, a ajudar efetivamente as crianças na Guiné Bissau.

6 – Qual o trabalho desenvolvido com as crianças?
Numa das escolas apoiadas por nós começámos a fazer uma cozinha com um fogão novo, construímos uma biblioteca, demos alimentos às crianças. Ajudamos o Lar de Bétel, muitas das crianças desse orfanato frequentam as nossas escolas.
  
7- Quantas crianças já foram ajudadas por «Afetos com letras»
São ajudadas cerca de mil crianças por dia, fora as instituições. Nós damos medicamentos ou remédios para os hospitais e quando alguma criança está doente e os pais não têm dinheiro suficiente para comprar o remédio, os médicos podem dar de graça o remédio.

8 - O que mudou desde que a Afetos Com Letras chegou à Guiné?
Quando a Afetos Com Letras chegou à Guiné, mudaram muitas vidas, principalmente, a das mulheres e a das crianças: começaram a ir à escola, assim poderão vir a ter um futuro melhor, aprenderão a ler e a escrever e terão uma educação melhor. Para além disso tudo, a «Afetos Com Letras» ofereceu três debulhadoras de arroz que ajudaram muito, porque o que demorava cinco dias a fazer agora demora cinco minutos. Assim, as meninas que tinham de faltar à escola para ajudar as mães a debulhar o arroz já não faltam à escola.

9 - Como podemos continuar a ajudar a “Afetos com letras”?
Em setembro, virá a Portugal um contentor com capacidade de oito toneladas. Nesse contentor poderão colocar material escolar, brinquedos, livros, comida (enlatados, leite em pó, arroz, massas, feijão e grão secos, entre outros), pastas e escovas de dentes. Poderão também dar uma ajuda monetária.

Sem comentários:

Enviar um comentário