segunda-feira, 30 de maio de 2016

Direitos da Criança Declaração dos Direitos da Criança Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959.

Preâmbulo

Considerando que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua fé nos direitos fundamentais, na dignidade do homem e no valor da pessoa humana e que resolveram favorecer o progresso social e instaurar melhores condições de vida numa liberdade mais ampla;Considerando que as Nações Unidas, na Declaração dos Direitos do Homem, proclamaram que todos gozam dos direitos e liberdades nela estabelecidas, sem discriminação alguma, de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou outra, origem nacional ou social, fortuna ou outra situação;Considerandoque a criança, por motivo da sua falta de maturidade física e intelectual, tem necessidade uma protecção e cuidados especiais, nomeadamente de protecção jurídica adequada, tanto antes como depois do nascimento;Considerando que a necessidade de tal protecção foi proclamada na Declaração de Genebra dos Direitos da Criança de 1924 e reconhecida na Declaração Universal dos Direitos do Homem e nos estatutos de organismos especializados e organizações internacionais preocupadas com o bem-estar das crianças;Considerando que a Humanidade deve à criança o melhor que tem para dar;


A Assembleia Geral

Proclama esta Declaração dos Direitos da Criança com vista a uma infância feliz e ao gozo, para bem da criança e da sociedade, dos direitos e liberdades aqui estabelecidos e com vista a chamar a atenção dos pais, enquanto homens e mulheres, das organizações voluntárias, autoridades locais e Governos nacionais, para o reconhecimento dos direitos e para a necessidade de se empenharem na respectiva aplicação através de medidas legislativas ou outras progressivamente tomadas de acordo com os seguintes princípios:


Princípio 1.º

A criança gozará dos direitos enunciados nesta Declaração. Estes direitos serão reconhecidos a todas as crianças sem discriminação alguma, independentemente de qualquer consideração de raça, cor, sexo, idioma, religião, opinião política ou outra da criança, ou da sua família, da sua origem nacional ou social, fortuna, nascimento ou de qualquer outra situação.


Princípio 2.º

A criança gozará de uma protecção especial e beneficiará de oportunidades e serviços dispensados pela lei e outros meios, para que possa desenvolver-se física, intelectual, moral, espiritual e socialmente de forma saudável e normal, assim como em condições de liberdade e dignidade. Ao promulgar leis com este fim, a consideração fundamental a que se atenderá será o interesse superior da criança.


Princípio 3.º

A criança tem direito desde o nascimento a um nome e a uma nacionalidade.


Princípio 4.º

A criança deve beneficiar da segurança social. Tem direito a crescer e a desenvolver-se com boa saúde; para este fim, deverão proporcionar-se quer à criança quer à sua mãe cuidados especiais, designadamente, tratamento pré e pós-natal. A criança tem direito a uma adequada alimentação, habitação, recreio e cuidados médicos.



Princípio 5.º

A criança mental e fisicamente deficiente ou que sofra de alguma diminuição social, deve beneficiar de tratamento, da educação e dos cuidados especiais requeridos pela sua particular condição.


Princípio 6.º

A criança precisa de amor e compreensão para o pleno e harmonioso desenvolvimento da sua personalidade. Na medida do possível, deverá crescer com os cuidados e sob a responsabilidade dos seus pais e, em qualquer caso, num ambiente de afecto e segurança moral e material; salvo em circunstâncias excepcionais, a criança de tenra idade não deve ser separada da sua mãe. A sociedade e as autoridades públicas têm o dever de cuidar especialmente das crianças sem família e das que careçam de meios de subsistência. Para a manutenção dos filhos de famílias numerosas é conveniente a atribuição de subsídios estatais ou outra assistência.


Princípio 7.º

A criança tem direito à educação, que deve ser gratuita e obrigatória, pelo menos nos graus elementares. Deve ser-lhe ministrada uma educação que promova a sua cultura e lhe permita, em condições de igualdade de oportunidades, desenvolver as suas aptidões mentais, o seu sentido de responsabilidade moral e social e tornar-se um membro útil à sociedade.
O interesse superior da criança deve ser o princípio directivo de quem tem a responsabilidade da sua educação e orientação, responsabilidade essa que cabe, em primeiro lugar, aos seus pais.
A criança deve ter plena oportunidade para brincar e para se dedicar a actividades recreativas, que devem ser orientados para os mesmos objectivos da educação; a sociedade e as autoridades públicas deverão esforçar-se por promover o gozo destes direitos.


Princípio 8.º

A criança deve, em todas as circunstâncias, ser das primeiras a beneficiar de protecção e socorro.


Princípio 9.º

A criança deve ser protegida contra todas as formas de abandono, crueldade e exploração, e não deverá ser objecto de qualquer tipo de tráfico. A criança não deverá ser admitida ao emprego antes de uma idade mínima adequada, e em caso algum será permitido que se dedique a uma ocupação ou emprego que possa prejudicar a sua saúde e impedir o seu desenvolvimento físico, mental e moral.



Princípio 10.º

A criança deve ser protegida contra as práticas que possam fomentar a discriminação racial, religiosa ou de qualquer outra natureza. Deve ser educada num espírito de compreensão, tolerância, amizade entre os povos, paz e fraternidade universal, e com plena consciência de que deve devotar as suas energias e aptidões ao serviço dos seus semelhantes.









Sabias que o primeiro Dia Mundial da Criança foi em 1950?


  • Tudo começou logo depois da 2ª Guerra Mundial, em 1945.
    Muitos países da Europa, do Médio Oriente e a China entraram em crise, ou seja, não tinham boas condições de vida.
  • As crianças desses países viviam muito mal porque não havia comida e os pais estavam mais preocupados em voltar à sua vida normal do que com a educação dos filhos. Alguns nem pais tinham!
  • Como não tinham dinheiro, muitos pais tiravam os filhos da escola e punham-nos a trabalhar, às vezes durante muitas horas e a fazer coisas muito duras.
  • Sabias que mais de metade das crianças da Europa não sabia ler nem escrever? E também viviam em péssimas condições para a sua saúde.
  • Em 1946, um grupo de países da ONU (Organização das Nações Unidas) começou a tentar resolver o problema. Foi assim que nasceu a UNICEF.
  • Mesmo assim, era difícil trabalhar para as crianças, uma vez que nem todos os países do mundo estavam interessados nos direitos da criança.
  • Foi então que, em 1950, a Federação Democrática Internacional das Mulheres propôs às Nações Unidas que se criasse um dia dedicado às crianças de todo o mundo.
  • Este dia foi comemorado pela primeira vez logo a 1 de Junho desse ano!
  • Com a criação deste dia, os estados-membros das Nações Unidas, reconheceram às crianças, independentemente da raça, cor, sexo, religião e origem nacional ou social o direito a:
    - afecto, amor e compreensão;
    - alimentação adequada;
    - cuidados médicos;
    - educação gratuita;
    - protecção contra todas as formas de exploração;
    - crescer num clima de Paz e Fraternidade universais.
  • Sabias que em só nove anos depois, em 1959 é que estes direitos das crianças passaram para o papel?
  • A 20 de Novembro desse ano, várias dezenas de países que fazem parte da ONU aprovaram a "Declaração dos Direitos da Criança".
    Trata-se de uma lista de 10 princípios que, se forem cumpridos em todo o lado, podem fazer com que todas crianças do mundo tenham uma vida digna e feliz.
  • Claro que os Dia Mundial da Criança foi muito importante para os direitos das crianças, mas mesmo assim nem sempre são cumpridos.
  • Então, quando a "Declaração" fez 30 anos, em 1989, a ONU também aprovou a "Convenção sobre os Direitos da Criança", que é um documento muito completo (e comprido) com um conjunto de leis para protecção dos mais pequenos (tem 54 artigos!).

  • Esta declaração é tão importante que em 1990 se tornou lei internacional!

Syrian teen had to drop out of 5th grade but isn't giving up | UNICEF

segunda-feira, 23 de maio de 2016

OS HERÓIS, Susana Ramos,9ºA

OS HERÓIS

    Os heróis. Pessoas reais ou fictícias que se destacam das restantes como algo que sublinhamos a marcador num livro. Ao longo da nossa vida variam os requisitos necessários para admitirmos alguém como o nosso herói pessoal. É certo que nas raízes da nossa existência pouco mais exigíamos do que a capacidade de erguer objetos com o poder da mente ou uma luta renhida contra um vilão temível.
       No entanto, à medida que crescemos, algo heróico é muito mais que isso. É lutar pelas nossas crenças, pelos nossos sonhos e por aquilo que somos, independentemente das dificuldades impostas pela vida ou por outrem. E essas pessoas, mesmo que não tenham combatido a ameaça alienígena, tocam-nos. Tocam-nos num ponto tão profundo de nós próprios que, provavelmente, nem teríamos consciência que existia.
       Para tal é necessário algo comum, um propósito com o qual nos identificamos e pelo qual também lutamos. Pode ser uma doença, uma injustiça também presente na nossa realidade. É isso que nos desperta a atenção.
     É por isso que julgo que os heróis não são entes divinos, pináculos da criação, os exemplos mais imaculados daquilo que se deve ser ou da vida que devemos levar.
     Essas pessoas ou personagens sofrem, choram e vivem em permanente conflito com os seus defeitos ou com o mundo que os rodeia. É isso que os torna humanos, e é a sua resposta de força, persistência ou ousadia que nos inspiram a dar mais de nós todos os dias.
       No entanto há que existir um equilíbrio entre aquilo que somos e aquilo que queremos ser. O objetivo de elevarmos estas pessoas à condição de heróis não é tornarmo-nos cópias, mas sermos nós um herói autêntico. Uma versão melhorada da nossa existência, mais forte e mais capaz.
        Quem sabe, um dia, não seremos nós a inspiração de alguém.

Operação Nariz Vermelho, dia 1 de junho!


E no dia 1 de junho, Dia da Criança, é Dia de Nariz Vermelho


Campanha do Banco Alimentar Contra a Fome

No próximo fim de semana, nos dias 28 e 29 de maio, terá lugar mais uma Campanha do Banco Alimentar Contra a Fome. 

O nosso Agrupamento, ao longo dos últimos anos,  tem dado uma preciosa colaboração nas Campanhas, sendo responsável por recolhas em mais do que uma superfície comercial. Muitos elementos da nossa comunidade escolar colaboram ainda durante todo o ano com o Banco Alimentar, sob diversas formas.

Por ser um fim de semana com inúmeras atividades e solicitações  na nossa cidade e distrito, estamos ainda a necessitar de voluntários, nomeadamente para a recolha no PINGO DOCE, ex-Feira Nova, superfície comercial que tem 4 portas. Os turnos têm a  duração de 2 horas e têm início às 9h, quer no sábado quer no domingo.

Gostaríamos muito de contar com a sua participação! Pode enviar mail para franciscamrss@gmail.com     indicando a sua disponibilidade, dia e turno! 

Fica também o convite para visitarem as nossas instalações novas ( no Parque Industrial, Rua Circular Nascente, Lote 13, rua paralela à Agriloja, lote contíguo à Evora Jardim e em frente à RIiberalves),  colaborando, se o desejarem, nos inúmeros afazeres no armazém nestes dias de Campanha. 

O nosso maior agradecimento
A Direção do BACF de Évora

A bela acordada, Adília Lopes

A Bela Acordada

Era uma vez uma mulher que tão depressa era feia era bonita, as pessoas diziam-lhe:
- Eu amo-te.
E iam com ela para a cama e para a mesa.
Quando era feia, as mesmas pessoas diziam-lhe:
- Não gosto de ti.
E atiravam-lhe com caroços de azeitona à cabeça.
A mulher pediu a Deus:
- Faz-me bonita ou feia de uma vez por todas e para
sempre.
Então Deus fê-la feia.
A mulher chorou muito porque estava sempre a apanhar
com caroços de azeitona e a ouvir coisas feias. Só os animais
gostavam sempre dela, tanto quando era bonita como quando
era feia como agora que era sempre feia. Mas o amor dos animais
não lhe chegava. Por isso deitou-se a um poço. No poço,
estava um peixe que comeu a mulher de um trago só, sem a
mastigar.
Logo a seguir, passou pelo poço o criado do rei, que
pescou o peixe.
Na cozinha do palácio, as criadas, a arranjarem o peixe,
descobriram a mulher dentro do peixe. Como o peixe comeu a
mulher mal a mulher se matou e o criado pescou o peixe mal o
peixe comeu a mulher e as criadas abriram o peixe mal o peixe
foi pescado pelo criado, a mulher não morreu e o peixe
morreu.
As criadas e o rei eram muito bonitos. E a mulher ali era
tão feia que não era feia. Por isso, quando as criadas foram
chamar o rei e o rei entrou na cozinha e viu a mulher, o rei
apaixonou-se pela mulher.
- Será uma sereia ? – perguntaram em coro as criadas ao
rei.
- Não, não é uma sereia porque tem duas pernas, muito
tortas, uma mais curta do que a outra – respondeu o rei às
criadas.
E o rei convidou a mulher para jantar.
Ao jantar, o rei e a mulher comeram o peixe. O rei disse à
mulher quando as criadas se foram embora:
- Eu amo-te.
Quando o rei disse isto, sorriu à mulher e atirou-lhe com
uma azeitona inteira à cabeça. A mulher apanhou a azeitona e
comeu-a. Mas, antes de comer a azeitona, a mulher disse ao rei:
- Eu amo-te.
Depois comeu a azeitona. E casaram-se logo a seguir no
tapete de Arraiolos da casa de jantar.



In Adília Lopes – OBRA – A Bela Acordada, pag 300, Ed. Mariposa Azul, Lisboa 2001 
               

Construindo metáforas na aula de Português do 6ºE

O desespero é uma cadeira cúmplice. Miguel Mendes

A esperança é uma pedra dura. Marco Figueiras

A solidão é um armário fechado. Delfim Pãozinho

A raiva é um dia chuvoso sem guarda-chuva. Rita Cartaxo

A esperança é uma lâmpada acesa. Tiago Correia

A saudade é uma lâmpada amigável. Sofia Torrão

 O amor é um guarda-chuva amoroso. Guilherme Gralha

A paixão é uma porta infinita. Joana Reis

A saudade é uma pulseira amigável. Rita Oliveira

A saudade é uma porta molhada. Margarida Carapau

A felicidade é uma janela límpida. Joana Simplício

A raiva é uma mala perigosa. Miguel Marques

A paixão é uma porta perigosa. Luís Brites

A vingança é um cabide perigoso. Mariana Tovar

A saudade é um guarda-chuva perigoso. Catarina Nunes

A vitória é um balde orgulhosos. Maria Inês Marques

A tristeza é uma mala vazia. Margarida Carapau

A felicidade é um armário amigável. Duarte Pontes

O medo é um dia chuvoso. Margarida Pardal




«a árvore é uma lenta reverência (...)», António Ramos Rosa/Claire Nivola 

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Oliver Jeffers








Seminário Melhorar a Escola a partir da Avaliação Anfiteatro (sala 131) do Colégio do Espírito Santo Universidade de Évora 27 de junho de 2016 - Público-alvo: professores, diretores de escolas, investigadores, mestrandos e doutorandos e outros estudantes de Ciências da Educação

Comissão Organizadora:

Isabel Fialho
Luís Sebastião
Marília Cid
José Saragoça
Maria José Silvestre
Sónia Gomes
Ana Paula Correia

Apresentação 


A avaliação de escolas tem vindo a ser apresentada ao nível do discurso político e normativo como um processo que promove a eficácia e a melhoria interna da escola. Porém, num contexto de responsabilização das escolas pelos resultados escolares, de aumento das pressões para a avaliação externa, de elaboração de rankings, as escolas e os seus atores não têm sido capazes de potenciar os processos para a mudança e a melhoria.
O Seminário Melhorar a Escola a partir da Avaliação é - promovido pelo Departamento de Pedagogia e Educação e o Centro Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora - e pretende constituir-se como um espaço de encontro, debate e reflexão entre educadores e professores de todos os níveis de educação e ensino, diretores, investigadores, profissionais e estudantes da área das Ciências da Educação no sentido de facilitar a criação de sinergias institucionais e pessoais que permitam às escolas melhorar os seus desempenhos na área da avaliação organizacional.


Objetivos:

- Promover a reflexão e o debate sobre a avaliação de escolas;
- Partilhar estudos e (boas) práticas de avaliação de escolas;
- Valorizar contributos da investigação em Educação e, em especial, na área da avaliação das organizações escolares;
- Fomentar o desenvolvimento de redes e comunidades de aprendizagem capazes de criar sinergias entre escolas/agrupamentos e instituições de ensino superior;
- Contribuir para a melhoria do sistema educativo e para a formação dos seus diferentes atores.
- Divulgar o ObservES – Observatório das Escolas do Sul.

O subdepartamento em grande

Departamento de Línguas – Subdepartamento de Português

Ciclo de Conferências
“Avaliação em Análise”

Com o objetivo de contribuir para uma reflexão conjunta sobre os desafios que se colocam aos docentes, no que concerne à problemática da avaliação discente, o Subdepartamento de Português promove o Ciclo de Conferências “Avaliação em Análise”, aberto à participação de todos os docentes do Agrupamento.

3.ª Conferência:
18 de maio, 16h
Anfiteatro da Escola Secundária Gabriel Pereira

Doutora  Anabela Costa Neves: “Avaliar é preciso?”

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Operação Nariz Vermelho, dia 1 de junho! Estamos quase!

Ajude, vai ver que também lhe faz bem!

A Lenda da Quinta de Santo António, Margarida Pedrosa

Conta a lenda que no tempo em que a fome percorria os campos, viveu nessa quinta uma mulher forte e lutadora que criou sozinha três filhos. O seu corpo era seco e vigoroso e trabalhava com a força de um homem. Um dia a doença bateu-lhe à porta e ela, sentindo que a sua tarefa estava terminada, aceitou-a e deixou-se partir com ela. Antes de morrer reuniu os sus filhos e disse-lhes:
“ Nestas terras há um grande tesouro, aquele que o encontrar ficará rico, construirá uma grande casa e será feliz por muitos anos. Abençoo-vos e peço que nas vossas vidas façam sempre as melhores escolhas.”
A mãe partiu e a mensagem ficou.
Os filhos desejavam encontrar o tesouro.
O mais velho desistiu rapidamente. O do meio considerou que a pobre mãe só pobre mãe só poderia estar em delírio, na vida pobre que levara, o que poderia ter deixado? Por isso deixou os campos e foi para o exército. O mais novo sempre acreditou nas palavras da mãe, o tesouro estaria enterrado em algum lugar, por isso, com as suas mãos ainda fracas de jovem rapaz, começou a cavar as terras e à medida que ia avançando ia lançando sementes.
Em maio, quando pouco faltava para acabar de revolver os campos deixados ao abandono durante a doença da mãe, encontrou na terra uma panela velha de cobre. Só poderia ser o tesouro!
Foi com desânimo que viu que lá dentro só estava um papel empoeirado bem dobrado que dizia: “Meu filho, o tesouro que procuraste, está em ti. Está no teu empenho, no teu trabalho, na tua entrega e na tua capacidade em acreditar.”
O rapaz olhou em seu redor, nos campos a seara já estava a crescer e voltou a ouvir as palavras da mãe: ali construíra uma grande casa onde seria feliz por muitos anos.

A lenda termina contando que naquele lugar viveu um homem que viveu feliz por muitos anos, rodeado da sua mulher e filhos, esse homem tinha sido o jovem rapaz que acreditara em si, nas palavras da mãe e na forte determinação em vencer. Todos os seus descendentes sempre recordaram a mensagem deixada: o verdadeiro tesouro de uma vida está em nós.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Maio que não der trovoada, não dá coisa estimada.


Dia Internacional da Família -15 de Maio de 2016 (domingo)

O Dia Internacional da Família é celebrado anualmente a 15 de maio.
A data foi escolhida pela Assembleia Geral da ONU, que proclamou o dia 15 de maio como Dia Internacional da Família.
A celebração do Dia Internacional da Família visa,entre outros objetivos, destacar:
  • A importância da família na estrutura do núcleo familiar e o seu relevo na base da educação infantil;
  • Reforçar a mensagem de união, amor, respeito e compreensão necessárias para o bom relacionamento de todos os elementos que compõem a família;
  • Chamar a atenção da população para a importância da família como núcleo vital da sociedade e para seus direitos e responsabilidades desta;
  • Sensibilizar e promover o conhecimento relacionado com as questões sociais, económicas e demográficas que afetam a família.
O primeiro Dia Internacional da Família foi celebrado em 1994.


segunda-feira, 2 de maio de 2016

II Festival de Teatro da Rede de Bibliotecas de Évora (RBEV) www.rbev.uevora.pt

II Festival de Teatro da Rede de Bibliotecas de Évora (RBEV)
www.rbev.uevora.pt

6 e 13 de maio - Escola Secundária Gabriel Pereira

A Escola Secundária Gabriel Pereira, sede do Agrupamento de Escolas nº 2 de Évora e da RBEV, acolhe a realização II Festival de Teatro Escolar, nos dias 6 e 13 de maio.
            Um dos grandes objetivos da Rede de Bibliotecas de Évora (RBEV), uma das maiores redes do país, integrando bibliotecas escolares, municipais e universitárias (www.rbev.uevora.pt), é a promoção e integração das bibliotecas escolares na comunidade. Este festival reúne os contributos cénicos dos quatro agrupamentos de escolas de Évora, abrangendo a esmagadora maioria da comunidade escolar da cidade.
            Estarão em cena, ao longo dos dois dias do festival, nove grupos de teatro escolar, um dos quais composto por docentes, alunos e assistentes operacionais do Agrupamento de Escolas nº 2 de Évora com sede na Escola Secundária Gabriel Pereira. Subirão ao palco, ao longo do evento, 135 atores com idades compreendidas entre os 7 e 50 anos.
            A organização do evento é assegurada por duas comissões.
            A comissão executiva é liderada pela biblioteca Gabriel Pereira (AGE2) e nela participam a direção do agrupamento, os professores bibliotecários e os responsáveis pela área de expressão dramática.       

            A comissão organizadora é composta pelos professores bibliotecários das bibliotecas Gabriel Pereira (AGE2), Ferreira Patrício (AGE1), Santa Clara (AGE3), Bairro da Câmara e Rossio (AGE2), e André de Gouveia (AGE4).
Grupo de teatro escolar em ação no 1º Festival de Teatro da Rede de Bibliotecas de Évora, que teve lugar na Escola Secundária Gabriel Pereira, em 21 e 28 de maio de 2010.

Programa

Dia 6 de maio
Hora
Peça
Agrupamento
Grupo
17.15
O nadadorzinho
Agrupamento de Escolas Manuel Ferreira Patrício
(Biblioteca da EB 2/3)
Mãozinhas
17.30
Vem aí o Zé das Moscas
Agrupamento de Escolas Manuel Ferreira Patrício(Biblioteca da EB 2/3)
Mãozinhas

Intervalo
18.30
História da Carochina
Agrupamento de Escolas nº 2 de Évora (Biblioteca da EB1 do Rossio)
Teatro do Rossio
18.45
História breve da Lua
Agrupamento de Escolas Severim de Faria (Biblioteca da EB 2/3 Santa Clara)
O Lado C da Lua

13 de maio
Hora
Peça
Agrupamento
Grupo
18.00
História breve da Lua
Agrupamento de Escolas Severim de Faria (Biblioteca da EB 2/3 Santa Clara)
O Lado D da Lua
18.30
Os ovos misteriosos
Agrupamento de Escolas nº 2 de Évora (Biblioteca da EB1 do Bairro da Câmara)
Os Pimpolhos
18.45
A morte
Agrupamento de Escolas nº 2 de Évora (Biblioteca da Escola Secundária Gabriel Pereira)
Temporal

Intervalo
Hora
Peça
Agrupamento
Grupo
20.00
Sete e o meu Blackie
Agrupamento de Escolas nº 4 de Évora (Biblioteca da Escola Secundária André de Gouveia)
GATAPUM
21.30
Sonho de uma noite de verão: work in progress
Agrupamento de Escolas nº 4 de Évora (Biblioteca da Escola Secundária André de Gouveia)
(In) temporal